Estrelas de cinema não morram em Liverpool

Filme para guardar na memória, Estrelas de cinema não morram em Liverpool 

Annette Bening pode dizer tudo o que você precisa saber sobre seu personagem em uma única cena que se desdobra. 

É sempre gratificante vê-la em ação, mesmo que seu filme mais recente, “ Estrelas de cinema não morram em Liverpool ”, não corresponda ao seu desempenho.

Bening interpreta Gloria Grahame, uma estrela hollywoodiana que já esteve em turnê nas províncias inglesas em uma produção teatral de “The Glass Menagerie”.

Sozinha e assustada depois de ficar desesperadamente doente, Gloria se volta para um homem muito mais jovem e, em algum momento, atriz, ela Eu tive um caso com vários anos antes, começando em 1978: seu nome é Peter Turner, e ele é tocado - de forma encantadora - por Jamie Bell. "Vou melhorar", ela diz a Peter, sentado na cama em sua modesta casa em Liverpool. Seu tom é brilhante, mas suplicante e assustadoramente desapegado; ela quer que ele acredite no que ela não acredita em si mesma. Em pouco tempo, e com um espectro completo de cores emocionais, Bening nos dá um retrato de uma mulher despedaçada que voltou para um lugar onde o amor já foi.

O filme foi dirigido por Paul McGuigan de uma adaptação do livro de memórias de Peter Turner de mesmo nome. O roteiro, de Matt Greenhalgh, retorna ao primeiro encontro do casal em uma pensão em Londres, onde Gloria, radiante e encantadora, está ansiosa para dançar e encontra um excelente parceiro em Peter: Jamie Bell, você pode se lembrar, fez sua estréia no cinema 17 anos no papel-título do aspirante a jovem dançarino em “Billy Elliott”. Flashbacks subsequentes evocam os encontros românticos ou turbulentos do casal na Califórnia e em Nova York, e seu rompimento, em Manhattan, é examinado - e elaborado - de seu ponto de vista. ver e depois dela.

A estrutura de mosaicos do filme enfraquece o impacto da história, uma vez que salta por todos os lados, e não pode criar drama, do qual não há muito na história de duas pessoas entrando e saindo por amor. Depois, há o problema da previsibilidade do filme. Quando Gloria está com dores terríveis no início e insiste que é apenas gás, sabemos melhor, mas saber não faz o coração bater mais rápido.

“Estrelas de cinema não morrem em Liverpool” é uma nota de rodapé interessante para a história de Hollywood: Gloria Grahame, uma estrela distinta com um estilo inimitável, teve um caso de amor com um inglês quase 30 anos mais novo do que ela; caiu em tempos difíceis, e então, em tormento físico e espiritual, procurou apoio e consolo em seu antigo amante. A consumação da história parece fina, e algumas vezes despida, como numa passagem em direção ao final, quando Peter e Gloria, em um palco vazio de um teatro local, recitam linhas uma da outra de “Romeu e Julieta” de Shakespeare.

O filme tem momentos de surpreendente graça e ternura. Acima de tudo, tem Gloria de Annette Bening, ainda viva para o mundo quando ela está em perigo de deixá-lo.

Trailer: